pão de queijo casquinha de fruta salada de batata sanduíche de pão de queijo cerveja da boa! hamburger de porco bolo de brigadeiro frango com abobrinha

Koonaburra Vineyard

Aug
2008
06

posted by on Sem categoria

3 comments

vinho1

Essa jovem e pequena vínicula localizada apenas a 30 quilômetros de Canberra está atraindo olhares curiosos daqueles que apreciam um bom vinho.
Além de oferecer seus belíssimos Pinot Noir, Sauvignon Blanc, Shiraz, e seu Merlot Sparkling – o espumante tinto que anda encantando o paladar dos australianos – Koonaburra traz uma produção modesta porém muito honesta de Ice Wine. || Read more

Restô d’ontê

Aug
2008
05

posted by on Sem categoria

5 comments

O quilo da Picanha? R$ 21,00 pagando barato.
Uma linguicinha da boa? Ah, pode preparar R$ 7,00 por quilo.
O pernil? Ah, esse é barato… R$ 6,50, com osso!
Medalhão de filé mignon? Nossa, esse é o olho da cara! || Read more

posted by on Bebidinhas

1 comment

papodehomem

“Eu só bebo champagne quando estou feliz e quando estou triste. Às vezes eu bebo quando estou sozinha, mas quando acompanhada considero obrigatório. Eu me distraio com champagne quando estou sem fome e bebo quando estou faminta. Fora isso, eu nem toco nele, a menos que esteja com sede.”
Madame Lily Bollinger || Read more

posted by on Sem categoria

9 comments

espaguete1

 

Se tem uma gôndola que eu não deixo de visitar quando vou ao supermercado, é a de produtos importados.
Aqui na Austrália, tamanha é a quantidade de imigrantes, que as grandes redes mantém esses produtos organizados de maneira estratégica, sempre dispondo uma sorte considerável de opções. || Read more

posted by on Divagações

3 comments

O novo stop-motion do PES é sensacional… vocês já viram? || Read more

Nhoque à romana

Aug
2008
01

posted by on Sem categoria

7 comments

Uma das formas mais efetivas para eu chegar em casa vindo do trabalho e desestressar é me esparramar no sofá e buscar em algum livro uma boa receita para fazer.

Noutro dia, conversava via messenger com a Ana Elisa e com a Marcele sobre a enorme quantidade de livros e revistas de culinária que nós temos em nossas estantes. || Read more

Bolinhos de cenoura

Jul
2008
31

posted by on Vegetais

11 comments

Eu disse aqui que traria a receita desses bolinhos assim que me acostumasse com as medidas em ouces, pints e pounds do meu novo livro velho.
Pois bem. Consegui não só reproduzir com fidelidade e sucesso o bolinho, como também dei uns pitacos (ah, eu não resito!) nessa pequena delícia, que Segundo Ambrose Heath, é originária da antiga Tchecoslováquia. || Read more

Gosto de infância

Jul
2008
30

posted by on Divagações, Doces

35 comments

Em minha infância, o acesso à leite longa vida era muito mais restrito do que é hoje.
Na casa de mamãe, eram tempos de vacas magras (desculpem o trocadilho)… o leite do café da manhã, em geral, era aquele de saquinho, do tipo “C”.

Você lembra disso?

Em dois dias, mesmo em geladeira, ele azedava, e lá ia mamãe fazer um tal de “doce de leite azedo”.
As bolotinhas de leite, envoltas em algo parecido com um caramelo, sempre foram o meu doce favorito.
Chegava em casa da escola, e ficava radiante de felicidade quando via o ramequim cheio de doce, ainda fumegante!

-Mamãe, por que você faz tão pouco doce?
-Não é que eu faço pouco, é ele que não rende!

Realmente… um litro de leite (ou, por vezes, nem isso) não dava quase nada de doce.

Cresci, viajei, aprendi à fazer alguma coisa na cozinha. Descobri que o nome do doce era Ambrosia. Ao menos era um doce parecido, na cor e na forma, mas com gosto de ovo. Decididamente não era o meu doce de leite azedo.

E conversando com minha mãe ela me deu a idéia de azedar o leite, de forma artificial. Por que nunca pensei nisso antes?

Em uma panela alta, misturei 3 litros de leite integral com o suco de
3 limões e de 2 laranjas.
Mexi bem e adicionei a casca de uma das laranjas bem picada, junto com alguns cravos e um punhado de canela em pau.
Como era bom ver o leite já coalhando… levei ao fogo alto, deixando ferver até
reduzir o volume pela metade (cerca de duas horas).
Não é necessário mexer, pois o intuito é que o doce forme grumos sólidos. Abaixo dos grumos, uma parte líquida, que deve secar bem. É isso que vai fazer o tempo de cozimento do doce ser de duas horas.

No momento em que o doce quase secava, em outra panela, fiz um caramelo, com 1 xícara (chá) de açúcar, e meia xícara (chá) de água.
Não pode ser um caramelo muito duro… ele tem que ficar em um ponto ainda líquido, ok?

Acrescentei ao doce e fervi por mais cinco minutos.

Decorei com a casca dos limões, cortada previamente e com anis estrelado.
Quase chorei de emoção!
Estava igualzinho!

ambrosia1

Chorar, eu chorei mesmo quando comecei à comer!