Batata Frita

Sep
2009
30

posted by on Acompanhamentos, Petiscos

21 comments

Existem dois tipos de batata frita: A boa e a ruim.

A ruim é aquela batatinha congelada, com gosto de papelão, que você pega, frita e 15 segundos depois ela está murcha.
Sinceramente… aquilo é um purê de batatas, sei lá de que qualidade, que passa por uma máquina e fica compactado.
Não é que eu não coma aquele tipo. Às vezes falta tempo, as vezes você está na rua e com fome.

Nem quero ser pretensioso à ponto de ensinar à algum chef de cozinha que tenho algo melhor.
Mas o Chef Julinho, por exemplo, tem uma opinião parecida com a minha!

Se você realmente gosta de batata frita (quem não gosta?) e está animado pra cozinhar, eu te falo um método (um tanto trabalhoso, é verdade) que eu considero muito bom.
Eu comecei a aprender na época da faculdade.
Minha primeira graduação foi na Faculdade de Tecnologia de São Paulo. Até hoje, se você passar por lá, um pouco antes do início das aulas, vai ver uma fila quilométrica próxima de uma kombi meio detonada.

É o tiozinho das batatas. O cara faz umas porções gigaaaantes de fritas, sempre sequinhas, com toda a sorte de molhos, maionese, queijo ralado e por aí vai.
Uma bomba de calorias.
Mas que eu fazia questão de comer uma vez por mês (tenho pena das artérias de quem não resistia e comia todo santo dia)

Perguntei pro cara uma vez: Como você consegue deixá-las assim?
Ele respondeu: É a cachaça, brother!
Tudo bem, ele tinha uma cara de que tomava uma cana de vez em quando, mas fazer as batatinhas bêbado não devia fazer parte do ritual.

Tempos depois, muita tentativa e erro, mas cheguei ao jeito que considero ideal.
Eu uso a batata do tipo Asterix, aquela da casca rosada. Não aconselho muito você usar a do tipo Monalisa, nunca dá muito certo.

Descasco, a corto em palitos, não muito finos e os lavo em água corrente, até sair todo amido (aquela água branca que sai na lavagem).
Seco bem, com pano de prato, ou toalhas de papel.

São duas frituras. É assim mesmo.
A primeira, com o óleo à mais ou menos 150 graus.
Se você não tiver um termômetro culinário, deixe o óleo no fogo médio por uns 5 minutos, que ele deve ficar próximo dessa temperatura.
Frite as batatas até você notar que elas estão cozidas, mas sem cor.

Escorra bem o óleo. E as leve para um recipiente com água gelada e um pouco de cachaça.
É aí que matei a charada do cara da faculdade!

Deixe as batatas ali por mais ou menos meia hora.
Seque bem e faça a segunda fritura, em óleo bem quente.
Elas entram no óleo e rapidinho ficam douradas. É escorrer o óleo, salgar (ou temperar, com um pouco de alho e alecrim) e partir pro abraço!

Batata Frita

Na boa: Dá um trabalhinho sim.
Mas você não vai mais querer as batatas da rede do palhaço!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comente pelo Facebook!

21 comments

  1. Thays
  2. Renata
  3. Renata
  4. allcina de lima rocha
  5. Mari
  6. Juliana
  7. Aline Lúcia

Trackback e pingback

  1. Comida de rua: coxinhas da Brasileira!
    [...] disso, convidamos vocês leitores para fazerem o mesmo. Conhece uma barraquinha de rua que vende a melhor batata frita? …
  2. A melhor batata frita do mundo – feita em casa : : Comer para Crescer
    [...] descobriu como fazer a batata frita ficar sequinha e deliciosa. A receita está nesse link aqui. Essa é a batata frita …
  3. Fish and Chips | cozinha pequena
    [...] colher (sopa) de manteiga derretida. Cerca de 6 batatas asterix fritas, conforme eu ensinei aqui (já já eu …

Leave a Reply


− 7 = 1